Intercâmbio nos EUA: um guia completo para estudar inglês nos EUA

Intercâmbio nos EUA para estudar inglês
Intercâmbio nos EUA para estudar inglês

Esse ano meu marido fez um intercâmbio nos EUA para melhorar seu inglês. Ele fez um curso de inglês em Seattle numa escola de idiomas. A experiência foi ótima; o curso muito bom e sua evolução na língua melhor ainda. Ele conseguiu focar nos estudos e ter pouco contato com brasileiros, fundamental para aprender inglês.

Mas deixo para ele contar a experiência num outro post…

O que eu queria mesmo falar aqui é que para decidir pelo curso de inglês tivemos que dar uma boa pesquisada na internet. -Não entendíamos nada sobre intercâmbio! Qual contratar, como contratar, documentação, visto, hospedagem, etc…

Senti uma certa dificuldade de encontrar exatamente as informações que precisávamos. Tem muita coisa no “google”, muita informação espalhada, mas nem sempre exposta de forma clara e objetiva. Difícil filtrar e impossível ler tudo!

Agora posso dizer que estou “fera” e vou compartilhar aqui com vocês, de uma forma mais organizada e objetiva possível, tudo que aprendi.

Intercâmbio nos EUA: aprender inglês e conhecer o “american way of life

Nesse artigo vamos falar um pouco sobre o que você precisa saber para fazer um intercâmbio nos EUA. Daqueles intercâmbios mais comuns; planejados para aprender ou aprimorar o idioma através de um curso de inglês em escolas de idioma.

Não posso deixar de falar que um intercâmbio desses funciona também como uma ótima oportunidade de conhecer uma nova cultura, ter acesso a outras realidades e fazer contato com pessoas diferentes. Nada mal conhecer o “american way of life“.

Para começar, suas primeiras decisões…

Se você leu o post anterior (estudar inglês nos EUA), sabe que o primeiro passo para ingressar nessa experiência maravilhosa é definir:

  • Onde fazer o intercâmbio? Em que cidade?
  • Quanto tempo tem disponível para o intercâmbio?
  • Qual o seu objetivo ao fazer o intercâmbio?
  • Quanto você tem para investir no intercâmbio?

Sabe também que para ter essas primeiras definições é muito importante alinhar expectativas com o que cabe no seu orçamento.

Pois bem! Uma vez definidos a cidade, o tempo disponível, o objetivo e o valor que tem para gastar, vamos partir para ação! Vamos trazer para realidade e começar a executar seu plano de intercâmbio nos EUA.

O passo a passo: como fazer intercâmbio nos EUA

1. Escolher a escola de inglês

Não adianta escolher uma escola que vá te dar dor de cabeça. Pesquise bem e certifique-se tratar de uma instituição séria e com boa reputação.

Atualmente existem muitas opções de escolas de inglês nos EUA. Ao optar por uma cidade, você já começa a fechar o leque. Pesquise na internet as escolas daquela cidade e avalie a melhor opção para você.

Esse item merece um post exclusivo, mas por hora seguem duas dicas importantes.

a) Procure por escolas menos procuradas por brasileiros. Quanto menos brasileiro e menos contato com o português, melhor!

b) Busque referência na internet e nas redes sociais. Veja os comentários e avaliações. Procure quem já conhece a escola e peça opinião sobre ela.

Fica a dica
Meu marido fez o curso na Kaplan International English de Seattle e gostou muito. É uma escola internacional sólida, muito boa e com presença mundial. Tenho ótimas referências dela, de outros conhecidos, além do meu marido.

2. Definir o curso de inglês e fazer a matrícula

Quando o objetivo é fazer um intercâmbio para aprender ou aperfeiçoar o inglês, os cursos mais procurados por brasileiros são:

a) Inglês geral (General English): curso tradicional de idiomas, com turmas separadas de acordo com o nível de conhecimento do idioma do estudante; normalmente dividido em básico, intermediário e avançado. Pode ser intensivo (aulas em dois turnos do dia) ou parcial (apenas um turno).

b) Inglês para Negócios (Business): para quem está no mercado de trabalho, deseja uma carreira empresarial e quer aperfeiçoar o idioma para o mundo dos negócios. Normalmente o curso foca em cases reais, linguagem financeira, discussões em grupos, reuniões e apresentações. Serve, inclusive, para se preparar para uma entrevista de emprego.

c) Preparatório para exames: para quem já domina o idioma, mas pretende se preparar para exames de proficiência em inglês. Existem muitos desses exames; o mais famoso deles é o TOEFL. Ele é o mais aceito nos EUA e serve como porta de entrada para qualquer college ou universidade norte-americana.

A maioria das escolas de inglês oferece os 3 cursos; é só escolher o tipo do curso, sua duração e carga horária (quantas horas de aula por semana).

Obviamente quanto melhor a escola, quanto mais tempo de curso e quanto mais horas você estudar por dia, mais caro será seu curso (claro!), mas mais resultados terá.

Hoje em dia é muito fácil, você consegue toda a comunicação e trâmite de documentação com a escola ou seus representantes de forma digital, sem sair de casa.

3. Decidir onde ficar durante o intercâmbio (hospedagem)

A hospedagem é um item que gera muitas dúvidas em quem está pensando em fazer um intercâmbio nos EUA. Deve ser providenciada com antecedência.

-Ficar em hotel? Por tanto tempo? Não é uma boa opção. Se pensarmos no custo, então, fica inviável.

Uma boa opção para fugir do hotel é ficar em casa de família ou em residência estudantil. Normalmente as escolas de inglês costumam ter parcerias ou indicar esses locais para você, algumas até possuem alojamentos próprios.

Quem for ficar por mais tempo, e quiser mais privacidade, pode tentar alugar quartos ou pequenos apartamentos para dividir com os amigos.

Além disso, atualmente, existe uma outra opção que está cada dia mais popular, e que eu particularmente gosto bastante: são os aluguéis por temporada das acomodações do Airbnb. Na minha opinião são hoje a melhor opção custo x benefício para quem prefere privacidade.

4. Emitir o passaporte brasileiro

Para um brasileiro viajar para os EUA ele tem que ter um passaporte que deve permanecer válido por todo o período de sua viagem.

Aqui vale comentar que existe uma dúvida frequente em relação à validade do passaporte: há quem diga que ele deve ter validade mínima de 6 meses a partir da data de embarque e há quem diga que ele precisa ser válido 6 meses além do período da viagem.

-Nem um, nem outro!

Acontece que os EUA exigem mesmo validade de 6 meses para cidadãos de diversos países, mas não para nós brasileiros. O Brasil faz parte de um acordo (Six-Month Club) que garante que pessoas com passaportes emitidos pelos países participantes possam entrar nos EUA desde que seus passaportes sejam válidos por todo período da viagem.

5. Solicitar o Visto Americano

Vamos a parte mais chata e burocrática da coisa…

Uma vez com o passaporte em mãos, vamos ao visto… Existem pelo menos uns 20 tipos de visto americano para não imigrantes que variam conforme motivo e características da viagem.

Visto de estudante F-1

Para quem vai aprender ou aprimorar o idioma numa escola de inglês o visto mais comum é o visto tipo F-1, concedido para estudantes acadêmicos ou de línguas. Esse é o visto concedido para estudantes em período integral e que podem receber diploma ou certificado concedido pelas instituições norte americanas.

Por isso, antes de solicitar o visto F-1 você deve se inscrever e ser aceito por uma escola aprovada pela SEVP (Student and Exchange Visitor Program). Funciona assim:

1. Você se inscreve na escola de inglês escolhida

2. A escola lhe inscreve no SEVIS (Student and Exchange Visitor Information System)

3. A escola lhe envia o Formulário I-20 necessário para sua entrevista no consulado

4. Você paga a taxa SEVIS I-901

Pronto! Agora sim, pode solicitar o visto F-1 através do processo de inscrição de visto no consulado americano.

Visto de turismo B-2

Aqui existe uma oportunidade para quem quer estudar inglês nos EUA. Segundo as regras, um visto de visitante tipo B-2 pode ser utilizado para curtos períodos de estudo recreativo que façam parte de uma visita turística.

Falando de forma prática, se você optar por cursos de inglês de pequena duração e horário parcial (carga horária até 18 horas de aula por semana) aproveite o visto de turismo! Lembrando que, normalmente, a imigração nos EUA concede ao turista no máximo 6 meses de permanência no país.

É ideal para quem pretende viajar e quer aproveitar a viagem para estudar inglês. Além de mais barato (não tem a taxa SEVIS), o visto de turismo é um pouco menos burocrático que o de estudante.

Se quiser saber mais dá uma olhada no post visto de estudante EUA.

6. Comprar a passagem aérea

Aqui não há mistério, certo? Você pode comprar direto nos sites das companhias aéreas ou em sites como o Decolar. A dúvida é: comprar antes ou depois de receber o visto?

-DEPOIS!

Recomendo fortemente que não marque sua viagem até que tenha recebido seu passaporte com o visto. Depois da entrevista no consulado, não há garantia de que seu visto será concedido. Sem falar que em alguns casos você pode ser requisitado a apresentar documentos que não foram apresentados na entrevista e tenha que passar por algum processo adicional, gerando um atraso no processamento.

Por isso, a recomendação aqui é esperar até que o seu passaporte com o visto esteja em suas mãos para emitir as passagens aéreas.

Mas nada impede que, a partir do momento em que começar a pensar em fazer um intercâmbio nos EUA, comece a monitorar os sites de venda de passagens e fique atento às promoções das companhias aéreas

7. Providenciar o Seguro Viagem

Não viaje sem ele. Faça cotação com seguradoras reconhecidas no mercado e contrate o plano de melhor custo x benefício. Não adianta economizar aqui para ter dor de cabeça quando precisar usar o seguro. Hoje você consegue fazer tudo pela internet.

Veja dicas para contratar um seguro viagem no post sobre seguro viagem internacional.

Ufa! Tudo pronto para viajar!

Agora é fazer as malas e embarcar… Não esqueça de levar toda documentação e dinheiro no bolso para gastar! Leve um pouco em espécie, mas o ideal é levar também um cartão de crédito ou débito internacional.

No mais, é aproveitar e curtir ao máximo seu intercâmbio nos EUA!

Fiz um material bem legal com tudo sobre intercâmbio nos EUA num só lugar (e-book tudo sobre intercâmbio nos EUA). Corre lá e baixe gratuitamente o seu, vale a pena!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*